Etiqueta: yoga

“Estou sozinho” é um pensamento falso

Sente que a solidão é o seu nome do meio? A sua melhor e mais assídua companhia? Sente-se sozinho a remar contra um mundo que vê totalmente diferente de si? Pois, saiba que tudo isso são pensamentos falaciososo baseados numa conclusão totalemnte errada. Perceba porquê.

 

Um aluno vem até mim e diz ‘ Mesmo a ouvir sobre o ensinamento do Yoga, continuo a sentir-me muito solitário e sozinho. A minha solidão faz com que vá ter com amigos e com que acabe por fazer escolhas erradas quanto a esses amigos que, muitas vezes, são tóxicos e prejudiciais. Eu não sou capaz de marcar limites. Eu  tornei-me dependente destes amigos, da sua apreciação e aprovação e não sou capaz de me libertar dessas relações até mesmo depois de experimentar alguns abusos emocionais”.

Para uma pessoa que não esteja comprometida com a investigação de si mesma, eu diria que a pessoa devia pedir conselhos a alguém de confiança para poder fazer escolhas melhores da próxima vez.

No entanto, quando este padrão de comportamento se torna evidente num estudante comprometido com o auto-conhecimento,  temos que usar o ensinamento do Yoga e do Vedanta para examinar se a nossa conclusão em que se baseia este sentimento é correcta. E, depois, analisar se queremos continuar a dar vida a uma crença que é falsa.

O nosso conhecimento prático do Yoga, com o estudo dos textos, uma prática diária consistente e reconhecimento da sua verdade, podem ajudar a ver o facto de que este sentimento de solidão nasce de uma conclusão falsa. Um sentimento baseado numa conclusão falsa pode mantê-lo(a) preso(a), apenas porque decidiu dar vida a esse sentimento de fundo falso.

Uma falsa crença deve ser vista como falsa e deve ser abandonada. O compromisso com a verdade exige que desista – na verdade quanto mais perceber a falsidade dessa conclusão, mais fácil é desistir.

Mas, então, qual é a falsa crença que existe por detrás do seu sentimento de solidão?

1ª crença falsa: ‘Eu sou este corpo-mente, que é separado de todos os outros e do mundo ao seu redor’.

Bem, todos têm esta conclusão, por isso todos devem sentir-se solitários. Isso é bastante verdadeiro – toda a gente tem essa conclusão falsa, excepto as pessoas sábias que vêem a verdade do que são: muito mais do que o complexo corpo-mente. No entanto, para algumas pessoas, os sentimentos baseados nessa conclusão são muito pesados, porque talvez elas não tenham recebido apoio e cuidados quando  eram crianças, o que cristalizou os seus sentimentos de solidão. Algumas pessoas podem mesmo concluir:  “Eu não consigo aguentar tudo isto assim sozinha”.

Então, o primeiro passo é mostrar à pessoa que ela é mais do que o seu corpo e mente e que estes não estão à parte do resto do mundo. O corpo tem uma relação simbiótica com o mundo. Por exemplo, o corpo respira oxigénio dado pelas árvores e expele dióxido de carbono que é utilizado pelas árvores. Novamente, o corpo é um amontoado de carne, ossos, sangue, gordura, músculo, etc… Os corpos das outras pessoas também são feitos dos mesmos componentes. E se levar esta análise mais além, percebe que o corpo é feito de partículas de energia – na verdade, o mundo inteiro não é mais do que partículas de energia. Então, os componentes básicos do corpo, qualquer forma que tenha, são os mesmos constituintes de qualquer outro organismo. Assim, como pode este corpo estar realmente separado do resto do mundo? Na verdade, este corpo é uma parte do mundo. O problema é que ao nível da mente, eu sinto-me só, sinto-me incompreendido, sem apoio,  e sozinho!!!!

Sentiu-se solitário(a) quando era criança? Sim… muito só.

Sim, esse sentimento de solidão é uma impressão antiga que ficou retida na mente subconsciente e mantém-nos reféns enquanto acreditamos nessa impressão. Ao acreditarmos nisso, a mente subconsciente fica muito poderosa… Ela irá criar situações que iremos voltar a interpretar da mesma maneira de forma a reforçar essa crença.

É verdade que ninguém o(a) entende… ou isso é uma crença que você apanhou na infância?

Você compreende-se a si mesmo?

Qual é sua relação com uma ordem superior a si, chame-lhe Deus, shiva, jeová, alá, acaso, etc.? Essa ordem é imparcial e uma testemunha neutra e amorosa em relação a todos os seus pensamentos, emoções, sentimentos, decisões, acções. Tem dado atenção ao reconhecinento dessa presença, dessa testemunha na sua vida? Como pode estar só se reconhece essa presença na sua vida? Essa ordem compreende-o(a) mesmo quando você acha que ninguém o faz.

Os sentimentos de solidão profunda fazem aparecer  uma conclusão de que existe uma separação nossa do mundo e dessa ordem e inteligência por detrás de toda a natureza; está na hora de prestar atenção a isso e de se libertar dessa conclusão debilitante.

Você quer realmente ser livre? Quão profundamente você investiu nesta conclusão de separação entre você e o resto do mundo?

Você observou esse sentimento de solidão?

Sim.

Se consegue observar o sentimento, isso significa que você não é o sentimento… você é realmente algo distinto do sentimento, pois é aquele que percebe os sentimentos.

Você é consciência, atenção e, à luz da sua consciência, esses sentimentos são revelados. Assim, será que você é consciência… ou é solidão? Não pode ser ambos.

Isto ficou claro para si? Um é o observador e o outro a percepção. Como é que você já misturou tudo?

Você é consciência, independente e imutável. Você ilumina e anima todos os pensamentos, decisões, sentimentos, sensações, actividades, o corpo e o mundo. Você dá-lhes vida. Nenhum destes pode ser separado de você, a pessoa que dá vida a eles e que é, ao mesmo tempo, independente deles.

Por que está a alimentar uma crença falsa? Você é consciência, você não é a solidão. A solidão é apenas um velho pensamento antigo baseado numa conclusão falsa. O conhecimento da sua verdade tem o poder de destruir a conclusão falsa, e só assim você pode parar de dar realidade ao seu velho velho pensamento, à sua velha impressão de que sofre com solidão.

Dê-se tempo para investigar e descobrir quem é e recuse continuar a dar vida a pensamentos inválidos e falsos.